FANDOM


O Javali de Kashyyyk é a novelização de uma partida de RPG entre romerlrl e explo utilizando o sistema The D6 RPG. Não era previsto uma segunda sessão nesse plot, mas ficou tarde e tivemos que parar.

Dia Um Editar

Semanas antes do desaparecimento do almirante Ithia Koon o Kel Dor. Bianca Lowall estava com ele, o recém empossado moff Baran Dance e sua filha Son Dance, e Defenestrador um dróide multiuso que podia entre outras coisas, matar alguém do Planeta dos Wookies, justamente onde eles estavam. A última resistência Wookie havia sido quebrada e quase todos os nativos já estavam nas masmorras imperiais. Mas as batalhas estavam no passado, o grupo se reunira para caçar. Não era algo que a Tenente costumasse fazer, mas era sua obrigação manter Ithia vivo e Ithia havia pessoalmente feito o pedido para que ela o acompanhasse. Também havia Baran, agora Moff e grande admirador de caçadas e sua filha Son de treze anos a quem Baran queria que cultivasse o esporte como ele. Os quatro saíram da base em seus respectivos speeders logo pela manhã armados com rifles de caça. Seu alvo era o Javali de Kashyyyk. Uma besta de oito metros de altura e que pesava algumas toneladas.

Acompanhando Son Dance, Lowall decide puxar papo com a garota, estava curiosa para saber se aquela menininha já conhecia armas daquele tipo, por sua vez, Son respondeu com desdém que sim. Já estivera em caçadas anteriores, mas nunca em Kashyyyk, também pudera, só agora o Império Galáctico através de Baran havia anexado o planeta e prendendo até o último homem, mulher ou criança, tornando o planeta hoje mais seguro que o Palácio Imperial, segundo palavras do próprio Baran. A tenente também teve a chance de conversar com Koon, seu superior direto, que lembrou a ela que aquilo era apenas outro teste e uma ferramenta de aprendizado, na medida que, “é melhor começar a caçar com quem não pode reagir”.

Tudo ia calmo, até que Defenestrador fala algo em Binário e chama atenção de todos para aquele estranho dróide, principalmente da senhorita Son que toma aquilo como uma pista de que estavam perto do alvo e, imprudentemente, se separa do grupo na expectativa dela mesmo capturar o Javali sozinha.

Vindo da mata adentro, os três adultos ouvem um tiro. E não era do rifle da filha do Moff.

Com um atraso imperdoável, encontram o speeder da menina vazio e destruído por um tiro. Bianca Lowall desce e procura por pistas sobre o paradeiro da menina, até tenta falar com o Defenestrador, mas sabe que o Binário é incompreensível aos humanos. Decidem se separar. Koon ficaria com Defenestrador montando o rádio para chamar reforços que logo revirariam aquela floresta ao avesso, Baran e Bianca Lowall buscariam pela menina, mas Baran decidiu ir sozinho, pois “a tenente fazia muito barulho”.

Baran estava certo, Bianca foi rastreada e emboscada por uma nativa que não teve dificuldade em imobilizá-la. Eis que surge uma sonda de tortura e a Tenente se prepara para o pior e de antemão xinga a máquina, que surpreendentemente se limita a traduzir seus xingamentos para o Shyriiwook. Bianca entendia bem mal aquele idioma e, pela primeira vez alguém na Galáxia, teve a sorte por seu capturador possuir uma sonda de tortura.

O que se seguiu foi emocionante. A Wookie, chamada Mahraccor, era apenas uma mãe desesperada. Bianca ainda presa convenceu a Mahraccor que intercederia por ela e mediaria a negociação, a Wookie libertou Bianca e lhe devolveu o speeder ainda que Mahraccor tivesse destruído suas armas da tenente. A sequestradora seguiria em sua montaria, um Javali de Kashyyyk, e a tenente em seu veículo. Voltaram conversando.

Conversando enquanto encaminhavam-se para seu destino Mahraccor demonstrou conhecer bastante o Império, ela havia estudado em Alderaan e trabalhado em diversos planetas do Núcleo, inclusive na programação de sondas de tortura para o Império, onde acumulara grande riqueza, mas voltou para seu lar e fez as pazes com sua família quando sua filha nasceu, mas tudo isso mudou quando legiões stormtroopers invadiram sua terra. Seu dinheiro, conhecimento e contatos viraram pó no meio à Guerra. Mahraccor podia ficar por horas conversando com Bianca. Ela realmente tinha se tornado amiga dela e ignorava que isso podia não ser recíproco.

Aí veio um estrondo. Pássaros voaram. Os miolos de Mahraccor também.

“Droga, Baran” dizia Bianca parando o speeder e descendo dele rapidamente. Tentava esconder a expressão facial de desaprovação e em seu lugar, um largo sorriso de gratidão. Era só uma mãe preocupada... *Ela cerrava os punhos, tremendo um pouco de raiva, mas não conseguia se manter assim por muito tempo. Logo procurava o local de onde veio o tiro.

Outro tiro, dessa vez acerta a presa desejada. O terrível Javali de Kashyyyk, a fera grunhe e dispara na floresta. Logo você houve os sons de um dos speeders se aproximando, Baran passa por Bianca e pelo corpo de Mahraccor sem perceber nenhuma das duas tamanha a sua gana pela sua presa.

Bianca decide seguir Baran e quando o alcança o agradece o disparo e o atualiza: Ela tinha Son, e queria trocar os prisioneiros e que agora estava sem armas. Baran lhe arremessa o rifle de Son, falando que sua "filha é uma Dance e que logo apareceria", o Moff para então de conversar para tentar um tiro, que é completamente malsucedido. Mesmo impressionada como Baran parecia não se importar com a própria filha, Bianca Lowall tenta seu tiro. Sucesso absoluto. De longe a besta grunhe enquanto Baran dá a volta para o “acampamento”.

No anticlímax da caçada, Dance, Koon e Lowall conversam sobre o que a tenente descobriu sobre sua filha e sobre a situação do rádio. Ele não funcionará. Bianca propõe que retorne a base e voltem com reforços, nenhuma objeção.

Escurecia. Os três deixavam para trás a garota que enfrentaria sozinha os terrores da noite em Kashyyyk.